Notícias

O tempo do desmatamento zero já passou

02/11/2014 - Cenário.MT.com.br - Assessoria

"É hora de realizar um esforço de guerra contra o desmatamento".  Essas foram as palavras de Antônio Donato Nobre, cientista brasileiro, ontem, durante a coletiva de imprensa do lançamento do “O Futuro Climático da Amazônia”, um relatório que revisou mais de 200 estudos climáticos e que traz evidência concretas de que a floresta está entrando em colapso.

“Precisamos nos engajar num enorme esforço parecido com os que os aliados fizeram durante a Segunda Guerra, se eles não tivessem feito isso nós estaríamos falando alemão hoje.  O desmatamento zero era para ontem, agora vamos precisar reflorestar, muito e rápido, caso contrário vamos perder por completo a função de regulação climática da floresta”, disse o cientista.

Nobre é um cientista cada vez mais motivado a falar com as pessoas comuns, sua fala é capaz de fazer os mais leigos passearem através dos complicados campos dos conceitos científicos, criando, ao final, poderosas epifanias.  “Eu queria escrever um documento que conversasse com as pessoas comuns e não apenas com a comunidade científica.  Chega de pregar para convertidos”, diz.

A coletiva foi em São Paulo, em meio a mais grave crise hídrica da história do estado e contou com a presença de 30 jornalistas do Brasil e do mundo.  Promovido pela Articulación Regional Amazónica (ARA) o evento foi um momento importante de articulação que contou com o apoio da WWF, ISA e Observatório do Clima.  A transmissão ao vivo teve uma audiência média de 100 pessoas, porém, mais de 700 pessoas circularam pela sala digital.  Quem quiser assistir a íntegra da coletiva pode acessar através desse link e quem quiser acessar o relatório pode acessar através do site do ARA.

Publicado Sexta-Feira, 31 de Outubro de 2014, às 14:35
As notícias reproduzidas pelo GVces têm o objetivo de oferecer um panorama do que é publicado diariamente no Brasil sobre sustentabilidade e não representam posicionamento da instituição. Organizações e pessoas citadas nessas matérias que considerem seu conteúdo prejudicial podem enviar notas de correção ou contra-argumentação para serem publicadas em espaço similar e com o mesmo destaque das notícias em questão. Fale conosco